Nesta sexta-feira, 7 de dezembro, serão lançadas as obras Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP – Primeira Décadas eFaepa – 30 anos de Solidez e Excelência na Área de Atenção à Saúde.

A cerimônia será no Centro de Convenções de Ribeirão Preto, Rua Bernardino de Campos, 999, a partir das 16 horas, com mesa de abertura, seguida de apresentação musical com o maestro Prof. Dr. Rubens Russomanno Ricciardi e de apresentação dos livros.
Por: Rosemeire Talamone

FMRP – Primeiras Décadas

Organizada pelos professores Maria de Lourdes Veronese Rodrigues, Julio Sergio Marchini, Hélio Cesar Salgado e Carlos Gilberto Carlotti Junior, Ed. Funpec, 2018, 266 págs, a obra traz parte da história das três primeiras décadas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, a partir da criação e das mudanças de sua estrutura organizacional e de fotografias daqueles que tornaram possível o seu nascimento e a sua existência.

No posfácio, a diretoria apresenta a situação atual da FMRP. No final do livro existe uma parte destinada a agradecer às pessoas que trouxeram a história oral até aqui. “O livro termina com a listagem de pessoas que trabalham ou trabalharam na FMRP e construíram a sua grandeza. E o leitor perceberá que essa história foi escrita por muitos colaboradores e com muito afeto”, relata a professora Maria de Lourdes.  Um dos motivos da iniciativa, diz a professora, foi a constatação da falta de um arquivo digital que facilite o acesso ao acervo do Centro de Memória e Museu Histórico (CMMH) da FMRP.

A apresentação coube ao professor Harley Edison Amaral Bicas, titular aposentado do departamento de Oftalmologia e Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço. No texto, o professor lembra os primeiros passos ainda incertos da FMRP, que “passou por fases românticas e frutuosas até chegar à maturidade”. E, acrescenta, “nasce no tempo de Getúlio, cresce enquanto chegam JK, Brasília, a indústria automobilística e as estradas. Passa pela inesperada renúncia de Jânio, chega à conturbada era de João Goulart, precisamente quando a “guerra-fria” entre os Estados Unidos ea União Soviética alcançava seu auge, com a polarização ideológica chegando a culminâncias pelo menos na América Latina”.

FAEPA

A obra Faepa – 30 anos de Solidez e Excelência na Área de Atenção à Saúde, 2018, 81 págs, traz detalhes da trajetória da Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência (Faepa) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HC-FMRP) da USP.

“Os desafios que enfrentou e as soluções que buscou; os debates sobre os temas da saúde e como, em cada momento, a Faepa foi adaptando a sua estrutura para atender novas conjunturas e melhor cumprir a sua missão de aperfeiçoar a qualidade dos serviços de saúde prestados à sociedade”, conta na apresentação o professor Ricardo de Carvalho Cavalli, diretor executivo da Faepa.

Criada em 1988, a missão da Fundação é aperfeiçoar a qualidade dos serviços de saúde prestados à sociedade. O livro, diz Cavalli, é dedicado a todos que participaram desta trajetória: gestores, professores, alunos, profissionais da saúde, funcionários de todos os setores, pacientes e seus familiares, as comunidades de Ribeirão Preto e região. “É uma história marcada por desafios e conquistas que nos emociona, da qual temos orgulho e que deve servir para balizar nossos pensamentos e ações e, sobretudo, inspirar projetos e sonhos futuros”.

A professora da FMRP Maria de Loudes Veronese Rodrigues foi entrevistada pelo Jornal do HC

1 – Quanto tempo levou para produzir o livro?

Desde a reunião inicial de planejamento, que incluiu o primeiro contato com os departamentos e comissões da FMRP, até a finalização do livro transcorreram três anos.

2 – O que o leitor encontrará no livro?

O leitor encontrará parte da história das três primeiras décadas, contada, principalmente, em legendas de fotografias. O livro menciona aspectos da criação, da instalação e da consolidação da Instituição, mencionando os fundadores da FMRP e de seus departamentos e os primeiros funcionários e docentes. Há um capítulo dedicado à mudança da FMRP para Monte Alegre e a aspectos da vida nessa fazenda. São apresentadas as reestruturações departamentais e as memórias dos departamentos atuais, assim como das comissões estatutárias e da Comissão de Relações Internacionais. No posfácio, a diretoria apresenta a situação atual da FMRP. No final do livro existe uma parte destinada a agradecer às pessoas que trouxeram a história oral até aqui. E o livro termina com a listagem de pessoas que trabalham ou trabalharam na FMRP e construíram a sua grandeza. E o leitor perceberá que essa história foi escrita por muitos colaboradores e com muito afeto.

3 – Qual a principal dificuldade na recuperação da história da FMRP para produzir o livro?

A falta de um arquivo digital que facilite o acesso ao acervo do Centro de Memória e Museu Histórico (CMMH) da FMRP. Esse arquivo digital é uma antiga aspiração dos membros do Conselho Deliberativo do CMMH, mas ainda não foi viabilizado por falta de recursos financeiros.

4 – Por que os organizadores se interessaram em contar a história da FMRP?

Quando a ideia do livro surgiu dois dos organizadores ocupavam a presidência e a vice-presidência da Comissão de Cultura e Extensão Universitária – CCEx (Maria de Lourdes Veronese Rodrigues e Julio Sergio Marchini), que tem como uma de suas funções a preservação da história da Instituição. Na ocasião a vice-diretoria e a diretoria da FMRP aderiram e apoioaram o projeto (Helio Cesar Salgado e Carlos Gilberto Carlotti Junior). Além disso, a então presidente da CCEx era membro da Comissão Coordenadora do Centro de Memória e Museu Histórico da FMRP.